Destaques

[Resenha] A Rainha Vermelha, Victoria Aveyard

Sabe quando o livro é bom ?! Pois é. É o caso desse amorzinho : A Rainha Vermelha
A Rainha Vermelha, Victoria Aveyard


A Rainha Vermelha - Victoria Aveyard
Titulo: A Rainha Vermelha # 1 Red Queen 
Autora Victoria Aveyard -  Editora Seguinte  
ISBN 978-85-65765-69-5 - Páginas 419 - Ano: 2015
Gênero Distópico/ YA - Classificação
Compre o livro: Saraiva - Submarino
Me acompanhe no Skoob: Djéssica Prado
O mundo de Mare Barrow é dividido pelo sangue: vermelho ou prateado. Mare e sua família são vermelhos: plebeus, humildes, destinados a servir uma elite prateada cujos poderes sobrenaturais os tornam quase deuses.
Mare rouba o que pode para ajudar sua família a sobreviver e não tem esperanças de escapar do vilarejo miserável onde mora. Entretanto, numa reviravolta do destino, ela consegue um emprego no palácio real, onde, em frente ao rei e a toda a nobreza, descobre que tem um poder misterioso Mas como isso seria possível, se seu sangue é vermelho?
Em meio às intrigas dos nobres prateados, as ações da garota vão desencadear uma dança violenta e fatal, que colocará príncipe contra príncipe - e Mare contra seu próprio coração.
Você conhece o gênero literário distópico ?! Se não eu explico todos os gêneros literários em uma postagem do blog : Gêneros literários.
Está com preguiça de ler a resenha ? Veja a resenha em vídeo do livro.

Resenha : A Rainha Vermelha 

Resenha - A Rainha Vermelha - Victoria Aveyard

O livro é narrado por Mare Barrow, que retrata uma sociedade dividida pela cor do sangue. Os humanos com sangue prateado - considerados a elite - de acordo com sua família, apresentam habilidades e poderes diferentes. Muitos prateados pertencem a famílias ilustres, chamadas Casas, que governam diferentes regiões. Eles menosprezam e inferiorizam os de sangue vermelho, "humanos normais", que são tratados como meros trabalhadores para suprirem a necessidade de luxo destes. Não há uma explicação para a existência dos diferentes tipos de sangue.
"Não somos iguais e jamais seremos." Pág. 14
Ela vive em Norta, em um vilarejo pobre, chamado Palafitas, onde  e todos sobreviviam dia após dia com poucos recursos e com muito esforço. Esta quase completando dezoito anos, e como não tem uma profissão - além de furtar as pessoas - ira ser recrutada para a guerra. Mora com seus pais, Daniel e Ruth Barrow, e mais três irmãos Bree, Tramy, Shade que ja estavam na guerra, e uma irmã Gisa que que possui um talento extraordinário para bordar. O pai de Mare diferente de muitos outros, voltou da guerra vivo, mas sem um perna e um pulmão.
Em todos os vilarejos haviam arenas, onde ocorriam as Efemérides de Primeira Sexta , uma forma dos prateados, cada um com habilidades distintas, lutarem e mostrarem seus poderes superiores aos pobres vermelhos. Mare odiava, pois o evento era obrigatório, a menos que você fosse um trabalhador essencial.  Aos que se esforçavam mais nas comemorações ganhavam pães e lecs - vale de cota extra de energia.
Seu melhor amigo desde a infância é Kilorn Warren, um órfão de guerra com 17 anos e que é aprendiz de pescador. Mas quando o mestre de Kilorn morre, ele deixa de ser aprendiz, e Mare se ve tentando arrumar uma forma para livrar ela e seu amigo da Guerra entre Norta e Lakeland. 
“Muitos vibram em acordo. Precisei de toda a minha força para não pular em cima desses covardes que jamais estarão na frente de batalha ou enviarão seus filhos para o combate. A guerra prateada deles é paga com sangue vermelho.” - Pág. 41
Vai ao mercado negro, na barraca de Will Whistle, onde ela vende seus produtos roubados, e tenta arrumar um meio de deixar Palafitas. Lá conhece Farley, da Guarda Escarlate, que oferece o meio, mas em  troca de muito dinheiro - um dinheiro impossível de se conseguir em apenas dois dias. Em um plano para conseguir o dinheiro, resulta na guarda quebrando a mão de sua irmã, e o fim dos sonhos dela uma dia ser um profissional, ter sua própria loja e ajudar seus pais. A noite, em meio a muitos remorsos, e após roubar muitos clientes que saiam de um estalagem, ao tentar roubar um rapaz, Cal, sua vida muda totalmente sua vida. 
"A mão dele se fecha sobre meu punho, com força e um calor estranho. Ele me puxa para fora das sombras. Tento resistir, escapar, mas é forte demais. Ele se volta para mim, e o fogo em seus olhos me enche de medo, o mesmo que senti de manhã. Mas será bem-vindo qualquer castigo que ele queira infligir. Mereço tudo. " Pág. 49 
No outro dia ela é levada por oficiais, para Summerton, pequena cidade, onde fica Palacete do sol, a casa de verão do rei, para trabalhar como criada real. Neste dia, está ocorrendo a Prova Real, onde as filhas das Grandes Casas se apresentam e mostram seus poderes especiais, para ganhar o coração do príncipe herdeiro, Tiberias VII, que para total surpresa de Mare, é Cal.  Em um acidente, ela descobre e revela a todos os prateados presentes, que possui poderes -  o poder da eletricidade. Para acalmar a população, o rei inventa a historia de que Mare é descendente de um oblivio, que explode coisas usando as mãos e de uma tempestuosa, que controla o clima - por isso seu poder com  eletricidade - e que fora abandonada no campo de batalha e adotada por uma família de vermelhos. Ela é obrigada a virar Mareena Titanos. 
" É um pesadelo. Vou passar o resto da vida presa, forçada a ser outra pessoa. Forçada a ser um deles. Um fantoche. Um espetáculo para manter o povo feliz, quieto e oprimido." - Pág. 95  
É também prometida em casamento a Maven, o príncipe mais novo. Com isso se vê dentro do palácio real exercendo um papel que jamais quis: a de uma nobre prateada, se tornando uma peça no tabuleiro de xadrez dos poderosos e vivendo em um jogo político. 
"Nos contos de fadas, a garota pobre sorri ao se tornar princesa. No momento, não sei se voltarei a sorrir algum dia. " - Pág. 125
Ela entra pra rebelião e para a Guarda Escarlate, na busca de liberdade e melhores condições de vida para seu povo: os vermelhos. Mas acaba confiando demais em quem não deveria, se esquecendo de que " todo mundo trai todo mundo. " e seus atos vão ser responsáveis por uma enorme mudança. No meio a príncipes lindos controladores do fogo, romance, intrigas, manipulações e mentiras, em um enredo repleto de reviravoltas.
A Rainha Vermelha - Victoria Aveyard
O livro possui uma escrita fluida e envolvente - li em uma noite/madrugada - sendo narrado em primeira pessoa, a partir do ponto de vista de Mare, o que leva ao leitor a ser influenciado pela perspectiva dela a respeito não só de situações, como também, de pessoas. Ela é forte e inteligente, mas se deixa ser levada por sentimentos, o que acaba a cegando, e muitas vezes foi enganada - quis esbofetear a cara dela muitas vezes, por se deixar ser tão manipulada e fazer tanta burrada. O livro é complexo e com muitos personagens, o que torna a tarefa de falar sucintamente sobre "A Rainha Vermelha" muito difícil. Me encantei por muitos como os príncipes, ambos me ganharam, apesar de sempre suprir uma desconfiança sobre um deles.
A capa do livro é perfeita, palmas para a Editora Seguinte, pois é metalizada e me ganhou facilmente. As folhas são amareladas, com um fonte boa, além de um marcador fofo na orelha de trás.
Como gênero distópico que é,  a Victoria criou bem o ambiente, marcado pela desigualdade social e divisão da população, apesar de ter ingredientes ja lido em outros livros - como o fato da personagem feminina, se descobrir diferente dos demais e ser responsável pelo ato de rebelião, como visto em Divergente e Jogos Vorazes - a historia possui sua identidade e encantamento e acertou em cheio  ao colocar os poderes de acordo com as casas, deixando o livro com um toque de ficção e fantasia. Os diretos cinematográficos foram adquiridos pela Universal, que fará o filme - Ansiosíssima
Como eu ja li 'Espada de Vidro", segundo do livro da Trilogia, só posso dizer que : segurem o forninho, porque é babado. Agora vou ler o livro de contos "Coroa Cruel", enquanto espero ansiosa o desenrolar da historia que vira no terceiro livro - King's Cage, em inglês - que está previsto para fevereiro de 2017.
Resenha do livro A Rainha Vermelha, Victoria Aveyard

 Casas, poderes e cores das famílias em A Rainha Vermelha

Calore - Ardente - controle do calor/fogo - vermelho e preto
Samson  - Murmuradores - leitura e controle da mente - azul marinho e branco
Jacos - Cantadores - Hipnose através da voz -  Branco e Dourado
Provos - Telec - Telecinese, poder de controlar as coisas com a mente – Preto e Dourado
Rhambos -  Forçadorores - Super força – Marrom e Vermelho
Welle - Verde - Relacionado ao controle da natureza, como arvores – Verde e Dourado
Osanos - Ninfoide – Controle da água – Azul e Verde
Samos -  Magnetrons - controla metais - Preto e Prata
Iral - Silfos – Agilidade e velocidade (ligeiros) – Azul Escuro e Vermelho
Merandus - Murmuradores - Controle da mente – Azul Escuro e Branco
Titanos – Oblívios – Capazes de explodir objetos/seres com o toque – Lilás e Prata
Lerolan – Oblívios – Capazes de explodir objetos/seres com o toque – Laranja e Vermelho
Haven – Sombrios – Controlam a luz – Preto
Viper – Animos – Animais – Verde e Preto
Laris – Dobra-ventos – Criam e controlam vento – Branco e Cinza
Arven – Silenciadores – Bloqueia os poderes  – Branco 
Carros – Forçadores – Super-força
Blonos – Curandeiros de Sangue – Curam os outros e a si mesmos
Skonos – Curandeiros de Pele – Curam apenas outras pessoas
Nolle – Tempestuosos – Clima
Macanthos – Pétrios – Transformam-se em rocha (pele)
Eagrie – Observadores – Capazes de ver o futuro
Gliacon – Calafrios – Manipular e criar gelo
Clonadores – Podem se multiplicar
Lépidos – Super-velocidade
------------------------
Leia outras resenhas literárias já publicadas aqui no blog

Comente pelo Blogger
Comente pelo Facebook
Comente pelo Google+

Seja o primeiro a comentar!

Postar um comentário