Destaques

Resenha: Proibido, Tabitha Suzuma

Resenha de um livro polêmico. Ja adianto, tem que ter mente aberta pra receber um assunto e um coração feliz para aguentar o final. Proibido foi trazido para o Brasil através da Editora Valentina, escrito por Tabitha Suzuma e traduzido por Heloísa Leal e publicado no segundo semestre de 2014.

Titulo: Proibido - Forbidden
Autora: Tabitha Suzuma - Editora: Valentina 
ISBN: 9788565859363 - Ano: 2015 - Páginas: 304
Gênero: Romance/ drama
Classificação:
Ela é doce, sensível e extremamente sofrida: tem dezesseis anos, mas a maturidade de uma mulher marcada pelas provações e privações da pobreza, o pulso forte e a têmpera de quem cria os irmãos menores como filhos há anos, e só uma pessoa conhece a mágoa e a abnegação que se escondem por trás de seus tristes olhos azuis.
Ele é brilhante, generoso e altamente responsável: tem dezessete anos, mas a fibra e o senso de dever de um pai de família, lutando contra tudo e contra todos para mantê-la unida, e só uma pessoa conhece a grandeza e a força de caráter que se escondem por trás daqueles intensos olhos verdes.
Eles são irmão e irmã.
Com extrema sutileza psicológica e sensibilidade poética, cenas de inesquecível beleza visual e diálogos de porte dramatúrgico, Suzuma tece uma tapeçaria visceralmente humana, fazendo pouco a pouco aflorar dos fios simples do quotidiano um assombroso mito eterno em toda a sua riqueza, mistério e profundidade.
Me acompanhe no Skoob: Djéssica Prado

Resenha Proibido de Tabitha Suzuma

Não sei o que dizer ou pensar sobre o livro. Proibido é um livro muito forte. Me causou muitas reações, desde a primeira pagina e durante toda a leitura senti meu peito apertado, com certa angustia - posso dizer. Não a respeito do assunto principal, que é o incesto, mas sim a respeito das dificuldades e dos problemas que uma pessoa pode sofrer e aguentar calado. 

São cinco irmãos - Lochan, Maia, Tiffan, Willa e Kit -  abandonados pelo pai, com uma mãe irresponsável, que pouco se importa com o bem estar deles. Ela só quer saber de curtir a vida, namorar, se revezando entre muitos cigarros e bebedeira. Lochan é o primeiro filho, é tímido, atormentado e sofre com fobia social, que o impede de socializar com outras pessoas e o deixando sempre solitário. Além disso a mãe o culpa, dizendo que só casou por causa dele. Ele é o responsável pela família, e junto com sua irmã Maia - um ano mais nova - tomam conta das responsabilidades da casa. Se tornaram " pai e mãe" dos irmãos mais novos, enquanto a mãe os "visita" raramente em casa, ficando na casa do novo namorado, esquecendo até de pagar as despesas básicas da família.
Lochan  e Maya, possuem um vinculo forte de amizade desde a infância, compartilhando seus problemas e se apoiando um no outro. Com ela, ele consegue se abrir, dizer tudo que não consegue a mais ninguém. Ambos tiveram que amadurecer antes da hora, tornarem se adultos, com responsabilidades que não deveriam ter. Aos poucos descobrem que existe um sentimento maior entre eles, um vinculo bem mais forte e sentimental, que os atrai além do fato serem  irmão e grandes amigos. Isso os assusta, eles tentam lutar contra o sentimento, mas são vencidos. 
(..)Fecho os olhos porque simplesmente não posso pensar nisso agora. Não posso me permitir pensar no que significa. Não quero pensar no nome que dão a isso. Eu me recuso a permitir que um rótulo do mundo exterior estrague o dia mais feliz da minha vida.
Eles sabem que isso é proibido, sabem o nome que a sociedade dá para esta união, mas como lutar contra algo que para eles é tão bom ? Ao mesmo tempo sabem que devem manter isso escondido dos olhos do mundo e dos irmãos, pois isso também os afastaria deles. 
 (..) - Nós não fizemos nada de errado! Como o nosso amor pode ser considerado horrível, quando não estamos fazendo mal a ninguém ? - Seus olhos descem aos meus, brilhando úmidos na penumbra - Não sei - sussurra - Como uma coisa tão errada pode parecer tão certa ?
Eu torci o tempo todo para um final diferente. Para que o pai e mãe se torassem presentes na vida dos filhos. Torci para que de alguma forma a relação dos dois desse certo, sei que todos que lerem este livro também deveram ficar com este sentimento. É um livro forte, e como disse, não sei explicar nem meu sentimento por ele, só sei que mexeu muito comigo.
"Você pode fechar os olhos para as coisas que não quer ver, porém, não pode fechar o coração para as coisas que não quer sentir."
Acabei o livro despedaçada, em cacos. Pensava que A culpa é das estrelas e Como eu era antes de você, eram livros tristes, devido eu ter chorado um riacho com eles, mas esse .... Uma leitura que se puder não lembrar ira me deixar mais feliz, mas infelizmente é tão comovente que será impossível de esquecer. Se me perguntarei se gostei respondo que sim. Se me perguntarei se não gostei, também respondo que sim. É controverso, mas é o que sinto.

Se você tem coração forte e mente aberta te indico a leitura.

Beijos :)


Comente pelo Blogger
Comente pelo Facebook
Comente pelo Google+

Seja o primeiro a comentar!

Postar um comentário